Última atualização:
15/10/03


Home
 

Observatório do Pico dos Dias
 

Informações para os observadores


Prezado Astrônomo,

Sua colaboração é muito importante para o correto funcionamento da base de dados do OPD. Por isso, antes de iniciar suas observações, verifique se o arquivo de parâmetros "fixos" da rotina "OPDPIX"  está corretamente preenchido.  Considerando que esse arquivo de modo geral somente é modificado no início de cada noite, qualquer erro que ele tiver vai se reproduzir em todos os dados coletados ao longo da noite (e muitas vezes, durante todo o turno!!!). Isso porque a informação nele contida é adicionada ao cabeçalho da imagem. Também, antes de iniciar uma integração, certifique-se que a definição do nome do objeto na rotina "OPDPIX" está de acordo com o padrão da IAU.  Se tiver dúvidas, siga as instruções e os exemplos abaixo indicados.


Regras do Banco de Dados do OPD:


Regras para definir os nomes dos observadores.

Os nomes dos observadores dos telescópios do OPD são incluidos nos arquivos de dados do Banco de Dados do LNA. O sistema DaBIAS reconhece os observadores através da respectiva palavra chave definida nos parâmetros "fixos" da rotina "OPDPIX". Para garantir que um determinado observador possa ser identificado inequivocadamente mesmo após  muitos anos, deve-se observar algumas regras na definição dos  nomes: 
  1. Não basta colocar o primeiro nome do observador nos parâmetros "fixos" do "OPDPIX" . O ideal é o nome completo. Muitas vezes isto não é praticável, no entanto o nome indicado deve conter pelo menos o primeiro nome (eventualmente abreviado pela primeira letra) e um nome de família. O sistema DaBIAS é flexível o suficiente para reconhecer várias formas de escrever o mesmo nome. Por exemplo, o DaBIAS identifica todos os observadores na seguinte lista como a mesmo pessoa: 
    • B. Castilho 
    • B.V. Castilho 
    • B. Vaz Castilho 
    • Bruno Castilho 
    • Bruno Vaz Castilho 
    • Bruno Vaz Castilho de Souza 

    Os nomes dos assistentes noturnos são uma exceção dessa regra, podendo  ser indicados de forma simplificada. É suficiente identificar um membro desse grupo como por exemplo "A. Claudia", "Erli", ou "C. Roberto". 

  2. É permitido definir mais do que um observador. Nesse caso, os  nomes devem ser separados por  vírgula. Nenhum outro símbolo (tal como "+" ou "e") é permitido para separar nomes diferentes!. Clique aqui para ver um exemplo. 
  3. Devido à  limitações de espaço, o tamanho do nome do observador (ou do total de nomes caso mais do que um nome seja definido) é limitado a 30 caracteres ou símbolos (incluindo espaços, vírgulas etc.). O DaBIAS ignora tudo o que ultrapassa este limite. Note que no caso de nomes ultrapassando em muito esse limite, o   programa "OPDPIX" sobrescreve parte do nome sobre outras informações potencialmente importantes dos dados!.
      
    Veja  exemplos   de como preencher corretamente (e incorretamente) o arquivo de parâmetros "fixos".

     

Regras para definir os nomes dos objetos, diretórios e arquivos de dados.

Com a finalidade  de garantir o bom funcionamento do banco de dados das observações efetuadas no OPD, solicitamos aos observadores que sigam algumas regras simples para dar nome aos diretórios e arquivos de dados, bem como aos objetos observados: 

  1. Diretórios: Solicita-se que seja criado um diretório separado para os dados de cada noite. O nome do diretório deve ser composto da data do início da noite da seguinte maneira: "AAmêsDD", onde "AA" são os dois últimos caracteres do ano atual, "mês" é o nome do mês em português abreviado em três letras, e "DD" é o dia com dois caracteres. 
  2.  
    exemplos: 99fev02 = dia 2 de fevereiro de 1999
    99dez31 = dia 31 de dezembro de 1999
    01jul25 = dia 25 de julho de 2001

    O observador têm toda liberdade de criar uma estrutura de subdiretórios a seu critério dentro do diretório da noite. 

  3. Arquivos: Solicitamos que arquivos com imagens de bias, escuro ou flat fields sejam  nomeados de forma a indicar o conteúdo: 
    • Para imagens de bias, o nome pode ser qualquer coisa como Bias, BIAS ou zero (note que não importa se letras maiúsculas ou minúsculas são usadas). 
    • Para imagens de escuro  use nomes como DARK
    • Para os flat fields algo como Flat, FF, etc. 

    Para efeito de diferenciação, pode-se  acrescentar mais letras ou números aos nomes. 
    Os arquivos com dados de objetos astronômicos podem ter qualquer nome. 

    Exemplos:

    DARK1800 exposição escuro com tempo de integração de 1800s
    FlatV exposição do flat field no filtro V
    FLATB30 exposição do flat field no filtro B, 30s
    BiaS exposição do bias
  4. Objetos: Mais importante do que os nomes dos arquivos é a palavra-chave OBJECT na routina OPDPIX no IRAF. Tome o cuidado de definir nomes que façam sentido! No caso de exposições de bias, escuro e flat field, o nome do objeto deve ter elementos como mencionados no item anterior. No caso de exposições astronômicas, é fortemente aconselhado seguir os padrões da IAU para dar nome aos objetos [veja, por expemplo, A&AS 107, 193 (1994) ou Dicionário de Nomenclatura de Objetos Celestes - CDS, Strasbourg. Nunca deixe de preencher o campo da palavra-chave OBJECT no OPDPIX e não se esqueça de atualizá-lo quando um outro objeto é observado! Note que o nome do objeto é uma das chaves principais para mais tarde pesquisar o conteúdo do banco de dados. IMPORTANTE: Não escrever  nada mais do que o nome do objeto nesse campo, porque o sistema faz  busca no SIMBAD para identificar outros nomes para o mesmo objeto. O SIMBAD não vai achar um objeto chamado por exemplo "Padrao HR9087", mas vai identificar o objeto "HR 9087". Note que o sistema não distingue entre letras maiúsculas e minúsculas e também ignora espaços nos nomes de objetos. Portanto, SS Cyg seria por exemplo igual a sscYG.
     
  5. Exemplos:
    Sirius nome individual
    eta Carinae nomenclatura segundo Beyer
    V3885 Sgr nome de uma estrela variavel segundo o GCVS
    RX J1238-38 fonte de raios-x ROSAT, identificado pelas coordenadas equatoriais

    Caso o observador queira especificar com mais detalhe a sua observação, deve usar a paravra chave "ADDINF" para informações addicionais (por exemplo: Em vez de nomear um objeto como "V442 Oph wide" nomeá-lo "V442 Oph" no campo OBJECT e adicionar a informação "wide slit" no campo ADDINF.

     Veja exemplos  de como preencher o arquivo de parâmetros da rotina OPD.

Agradecemos a todos que seguem estas regras, colaborando com a manutenção do Banco de Dados do OPD!